www.radartutorial.eu www.radartutorial.eu Noções básicas de radar

Marconi S232

Descrição do conjunto de radares, características técnico-táticas

Figura 1: Marconi S232

Especificações Técnicas
Banda da frequência: 500 … 610 MHz
(bande UHF)
Intervalo de repetição
de pulsos (PRT):
Freqüência de repetição
de impulsos (PRF)
:
500 … 800 Hz
Largura de pulso (τ): 2 ou 4 µs
Período de recepção:
Período de descanso:
Potência de pico: 50 kW
Potência média:
Alcance instrumentado:
Resolução da distância:
Precisão:
Largura do feixe:
Número de impulsos recebidos:
Velocidade de
rotação da antena:
0,5 … 10 min⁻¹
MTBCF:
MTTR:

Marconi S232

O Marconi S232 foi um dos primeiros radares de controle de tráfego aéreo a operar no comprimento de onda de 50 cm (na banda UHF). O radar foi desenvolvido em 1954. Estas freqüências relativamente baixas para radares tinham a vantagem de não haver praticamente nenhuma interferência meteorológica nesta faixa. Isto também levou a uma propagação de onda mais eficiente, de modo que se poderia alcançar maiores faixas com a mesma potência e ganho de antena do que com comprimentos de onda mais curtos. O primeiro protótipo foi instalado em Londres Heathrow em abril de 1956. Sua implantação bem-sucedida levou posteriormente a um total de 15 outras instalações, 7 das quais no exterior.

O transmissor foi um desenvolvimento adicional do radar Marconi Tipo 11. O novo transmissor foi estabilizado em cristal e pôde ser colocado em operação sem nenhum trabalho de sintonia importante uma vez ligado. O S232 continha assim um sistema totalmente coerente para a supressão de alvos fixos. A constância da freqüência de transmissão suportou a operação eficaz do sistema MTI. Essas freqüências UHF tinham condições favoráveis de propagação (melhor que a banda S, com 10 cm de comprimento de onda) e suportavam a capacidade de desempenho do radar, tornando-o muito popular nos anos 50/60. Os dados do radar enviados para a sala de controle de aproximação já estavam liberados da interferência fixa do alvo pelo sistema MTI. A linha de atraso utilizada naquela época era uma linha ultra-sônica com água como meio.

A antena era normalmente erguida diretamente no chão. Isto impediu que o padrão da antena se desgastasse devido a interferências causadas por reflexos do solo. A eletrônica de radar foi, portanto, instalada no subsolo em um bunker.

Fontes: