www.radartutorial.eu www.radartutorial.eu Noções básicas de radar

Potência isotrópica radiada equivalente (PIRE)

Sisotrópica
Santena

Figura 1: Ilustração da definição da quantidade calculada do PIRE

Sisotrópica
Santena

Figura 1: Ilustração da definição da quantidade calculada do PIRE

Potência isotrópica radiada equivalente (PIRE)

A potência radiada equivalente (ou potência radiada efetiva) é uma quantidade definida pelo IEEE utilizada para descrever a potência direcional de alta freqüência. A potência radiada equivalente é a combinação da potência gerada pelo transmissor e a capacidade da antena de concentrar essa potência em uma determinada direção..

É a potência total em watts que teria que ser irradiada por uma antena de referência omnidirecional uniforme para alcançar a mesma intensidade de irradiação S (densidade de potência em watts por metro quadrado) que a antena real e prática em um receptor remoto localizado na direção do lóbulo principal daquela antena. Ela é igual à potência de entrada da antena multiplicada pelo ganho da antena. Uma potência radiada equivalente não é diretamente mensurável. Ela deve ser calculada a partir da quantidade mensurável de energia gerada no transmissor, utilizando quantidades conhecidas (ou medidas separadamente).

Se uma antena isotrópica for usada como referência para o ganho de antena GA, a potência isotrópica radiada equivalente é abreviada e designada como PIRE (em inglês: Equivalent Isotropically Radiated Power, EIRP). Se um dipolo for usado como referência, a letra „i“ é omitida na abreviatura e se torna PRE (PIRE = 1,64·PRE). Ao medir a potência de transmissão no transmissor PS, as perdas L na linha de alimentação para a antena também devem ser levadas em conta.

PIRE = PS + GA - L mit PS = potência de transmissão em [dBm] ou [dBW]
GA = ganho da antena em [dBi]
L = perdas em [dB]
(1)

A potência radiada equivalente é usada em eletrônica e telecomunicações para quantificar a potência aparente de um transmissor que é percebida na área de recepção como um sinal útil ou como uma interferência. É mais freqüentemente usado para indicar em um plano de uso de freqüência pelas autoridades reguladoras uma potência máxima permitida de transmissão que pode ser usada em uma faixa de freqüência a fim de minimizar interferências mútuas.